Triste no sofá

Bullying & Discriminação

Juntos contra a violência física e mental, nas ruas, nas escolas, nas vilas e condomínios,  em casa.

"Intimidação sistemática ( bullying ) todo ato de violência física ou psicológica, intencional e repetitivo que ocorre sem motivação evidente, praticado por indivíduo ou grupo, contra uma ou mais pessoas, com o objetivo de intimidá-la ou agredi-la, causando dor e angústia à vítima, em uma relação de desequilíbrio de poder entre as partes envolvidas."

Lei  que institui o Programa de Combate à Intimidação Sistemática ( Bullying ) em todo o território nacional: LEI Nº 13.185, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2015.

Compartilhar o sofrimento é muito importante, não espere.

É um ato de violência, verbal, física repetitiva, àquela que impede a pessoa de seguir em frente.  A criança que sofre o bullying pode ter inúmeros comportamentos que podem ser confundidos com àqueles relacionados com a puberdade e com isso acabar tendo pouca ação em um momento tão importante, de tanta vulnerabilidade e insegurança.

Como podemos identificar o problema?

A violência impacta profundamente a vida de uma criança ou de um adolescente.

Ações que podemos realizar agora.

lápis
Observar - não deixar para depois.
  • Se a criança está mais quieta, triste e/ou isolado?

  • Apresenta problemas de sono;

  • Reclama para ir à escola;

  • Começa a passar mal próximo ao horário de ir á escola ou prestes a ir a algum local que vai com frequência.

  • Sai repentinamente de grupos ou chora ao olhar o celular;

  • Está dormindo com mais frequência e não quer saber de se comunicar com os amigos.

Evite ao máximo
  • Ignore, deixe a conversa para depois seja com a criança vítima do bullying quanto com a criança agressora;

  • Diminua os sentimentos de uma criança - "Ah, também ja fui assim", "Isso não é nada", "já passa";

  • Acredite que a criança é sempre a vítima, ela pode ser o agressor - o "bullier";

  • Desista em pról do conforto de não entrar em conflito, ainda que seja difícil;

  • Negligencie a segurança da criança;

Adolescentes na Natureza
Mensagem para que sofre
  • Converse com a criança sem julgar;

  • Busque saber quais redes sociais utilzia, faça parte;

  • Identifique comportamentos de irritação pós situação que você desconhece - pergunte;

  • Busque ser aberto, promova o diálogo, sem imposições;

  • Faça acordos para que possa estar presente, ainda que distante;

  • Não repetir apelidos, não participar  e não incentivar as brincadeiras ofensivas;

Mensagem ao agressor
  • Observe o que sente ao realizar esses atos contra alguém e avalie o que você realmente está buscando, com essa agressão;

  • Reflita sobre o mal que está causando para a vítima e pense nas consequências;

  • Busque coragem para mudar esse comportamento agressivo;

  • Volte a atenção para você e veja como pode melhorar a sua vida, focando em projetos para a sua construção de vida. 

  • Para particar o bem temq ue ter coragem, seja um praticante.